Redação – Kamily (SESI Campo Grande)

3 minutos para ler

O porte de arma na sociedade brasileira

Em concordância com Sartre, filósofo francês, o ser humano é livre e responsável; cabe a ele escolher seu modo de agir. Nesse cenário, com o avanço da criminalidade no país, recai sobre a humanidade o compromisso de tornar a sociedade menos violenta. No século XXI, a preocupação com os efeitos negativos provenientes da posse da arma de fogo, bem como dos acidentes de mortes e lesões que envolve inúmeros indivíduos, são reflexos ruins dessa existência.

A princípio, o problema da liberação do porte legal de armas de fogo e suas complicações estão estreitamente ligados a uma circunstância sociocultural. Sob essa pressuposição, Albert Camus, filósofo argelino, deixa compreensível que a linha entre o direito e a justiça não deve estar atrelhada ao uso da coercitividade. Posto isso, a sociedade brasileira não deve encarar a justiça como o  simples direito de puxar uma arma, pois se fosse assim, estaria exercendo o direito do Estado, previsto na Constituição Federal de 1988, em executar a manutenção da ordem e a preservação da vida.

Outro fator determinante está agarrado ao uso e aos cuidados necessários para previdência e manuseio de armas de fogo. Nesse seguimento, é notável que o despreparo pode ser um fator essencial para risco de possuir um revolver ou pistola. Cabe acrescentar também os acidentes domésticos e as cumuns brigas de trânsito que acabaram com milhares de vidas, cerca de 160.000 pessoas, segundo dados do Ministério da Justiça, antes da concretização do Estatuto do Desarmamento.

Portanto, medidas são necessárias para esse problema. É preciso que os indivíduos, portanto, busquem constantemente a paz social sem o uso das armas. Dessa maneira, é necessário que o Ministério da Educação, por meio da educação continuada no âmbito escolar, instrua os escolares sobre o risco do porte de armas, com intuito de reduzir o apelo social pelo rearmamento da população. Nessa perspectiva, com a efetivação de tais medidas, poder-se-á transformar o Brasil em uma nação menos violenta e livre dos males provocados pela liberação da posse e porte legal de armas de fogo.

Kamily
9º ano do EF II
SESI Campo Grande

Destaques SESI – Mato Grosso do Sul

Ao longo do ano de 2020, alunas e alunos das séries finais do Ensino Fundamental II e de todo o Ensino Médio da Rede SESI do Mato Grosso do Sul realizaram oito atividades de escrita do gênero Enem no Programa Letrus. 

Estudantes gostaram muito da experiência e tiveram uma evolução incrível da primeira até a última atividade! E nós não poderíamos deixar passar essa oportunidade de valorizar e parabenizar cada um, não é mesmo?

Portanto, estamos publicando os últimos textos dos/das estudantes que, em cada série, de toda a Rede, realizaram todas as atividades no Programa Letrus e tiveram a maior evolução entre a primeira e a última redação.

Posts relacionados

Deixe um comentário